Quando Deus é o juíz (2)

O blog Pensando a vida está retomando suas atividades, prosseguindo com uma série de posts inspirada no texto de Isaías 33:22 – “Porque o SENHOR é o nosso Juiz; o SENHOR é o nosso legislador; o SENHOR é o nosso rei, ele nos salvará”.

A série começou com o post Deus… um absolutista? e teve continuidade com o post Quando Deus é o juíz (1), que abordou o tema “não julgueis”. Neste post, vamos continuar falando sobre as atitudes daqueles que reconhecem Deus como o juíz de suas vidas.

Acredito que o texto de Paulo em Romanos 12:18-21 tem muito a nos ensinar sobre a postura dos que creem que Deus é o seu juíz. O ver. 18 diz: “se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens”. Mas, até que ponto a paz depende da gente? O que está ao nosso alcance para viver em paz com os outros? Há gente que reclama por não viver em paz com os outros, mas ainda não esgotou as possibilidades para alcançá-la. Paulo nos dá algumas orientações nesse sentido nos vers. seguintes:

“não vos vingueis a vós mesmos, amados, mas dai lugar à ira;  porque está escrito: A mim me pertence a vingança; eu é que retribuirei, diz o Senhor. Pelo contrário, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas vivas sobre a sua cabeça. Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem”.

Todo aquele que compreende que Deus é o seu juíz tem o compromisso de não tomar vingança. Essa pessoa compreende que, se em alguma situação foi vítima de injustiça ou dano, e se alguém deve tomar vingança (considerando que em muitos casos é ela que pode estar errada), não deve ser ela mesma, mas sim o seu Juíz. Nossa postura deve ser a de tirar nossa ira de jogo, e deixar espaço para a ira de Deus. É importante salientar que a ira dos homens não produz a justiça de Deus (Tg. 1:20), mas a ira de Deus consiste em sua ação promovendo justiça: “a ira de Deus se manifesta nos céus contra toda impiedade e injustiça dos homens” (Rm. 1:18). [Sobre a ira de Deus, ver post Deus... irado?]

A NVI traz Romanos 12:19 com o seguinte texto: “Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor”.

Nossa postura sempre é a de não tomar vingança, sejam as mais agressivas ou aquelas mais “leves”, como tratar os outros com desprezo ou indeferença. Afinal, o exemplo que temos em Jesus é o de que, mesmo quando ferido e humilhado, Ele foi capaz de orar ao Pai em favor dos seus algozes dizendo: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lc. 23:34). E o mandamento que dEle temos recebido é: “Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem; para que sejais filhos do vosso Pai que está nos céus” (Mt. 5:44,45)

Até breve,

Anderson Paz

Continua no próximo post.

Deixe seu comentário aqui
Posts relacionados:
Deus… um absolutista
- Quando Deus é o juíz (1)
- Deus… irado?

7 Responses to “Quando Deus é o juíz (2)”

Deixe seu comentário aqui

Get Adobe Flash playerPlugin by wpburn.com wordpress themes